família, praia, píer

Já falei sobre família neste blog, mas é o tipo de tema que tem muito pano pra manga. Dá pra fazer um blog falando só dela, a FAMÍLIA. Assim mesmo, vou falar de novo porque “ô negócio pra dar trabalho, mas pra ser bom!”.
Num dia você AMA, no outro você chora, no outro você magoa e é magoada depois. Numa hora você é a santa, na outra a vilã. Tem gente que te odeia, mas também é sua fã.
Tem gente que te agride, gente que te admira, podendo ser até a mesma pessoa em momentos distintos da convivência. Família é uma sentença.
Com sorte, a família vai ter mais prós do que contras e vai dar pra levar a relação por uns bons anos, ou até por uma vida inteira. Porém, tendo azar a família não dura nem uma geração, se acaba na primeira disputa de bens.
Por falar em bens, são eles o principal motivo das brigas em família. A disputa por ele, a falta dele, o que cada um considera seu. É impressionante como só tem vítima na hora da partilha. Pobre do morto que deixou a herança: trabalhou feito um louco, juntou um bocado de grana, vai dar de bandeja para os filhos e ainda vai levar a fama de injusto, ingrato, e mais um monte de adjetivos por sua sempre desastrosa forma de “valorar” quem fica.
Outra coisa que acontece em família é a troca de papeis: pai age como filho, neto passa ter autoridade sobre o avô , tia age como criança e a sobrinha é que tem de ser ponderada.
Os mais novos acabam percebendo a bagunça na cabeça antiga e logo arrumam uma forma de conviver da melhor forma com aquele caos. Ah! Se aprendêssemos com as crianças sobre a simplicidade em lidar com problemas… Teríamos bem menos aporrinhações.
Mas é essa a dinâmica da vida. Família é o grande treino sobre convivência, tolerância, amor ao próximo, resiliência, resignação e todo esse blá, blá, blá que o mundo civilizado exige. Pois tem um tal de amor que calibra os elos familiares, permitindo que alguns tropeços sejam dados, alguns erros cometidos e que tudo volte ao normal. Cedo ou tarde, acaba voltando.
É a família que vai suportar suas quedas e aplaudir suas conquistas. Às vezes vem de quem menos esperamos a mão amiga que nos levanta. Conjugar “esse verbo família” em todas as suas formas presente, pretéritas e futuras requer traquejo e jogo de cintura. Dance conforme a música!
Porque FAMÍLIA é nome forte, tem poder, é nome com imã, queira ou não queira você.

1 Comentário

  1. Bruno

    O amor entre todos nós é a cola que mantém toda a família junta, é a argamassa que impede que as briguinhas e estresses façam tudo desmoronar.

Mais Sem categoria