O rosto e o corpo e o sonho e a alma e a vida da mulher na guerra
Foto fonte: https://bit.ly/2rCTWRR
Tirei a quarta-feira à noite, dia 9/05, pra ir ao teatro. No jornal, o anúncio da peça: A guerra não tem rosto de mulher. Como me interesso demais por esse período tão sombrio, deprimente, triste e sem sentido - como toda morte vã - da nossa história, fui, mas já prevendo o que me esperava.

A guerra não tem nome de mulher, é inspirada no O resto deste post é restrito para assinantes. Clique aqui e assine seu conteúdo exclusivo!

Mais Rio em resenha