inspiradora

Você é um pessoa inspiradora?

Se você está aqui é porque, de alguma forma, minhas palavras te tocam. Seja por se identificar, seja por te fazer refletir, seja pra discordar, ou mesmo pra saber que você não está sozinha. Se eu conseguir despertar qualquer sentimento em você, já me valeu a escrita.

Semana passada eu escrevi uma crônica na qual relatava a frieza de um casal prestes a entrar no avião. Destaquei o diálogo e cheguei à conclusão de que àquela união não devia ser das melhores. É claro que não sei da missa um terço, pois não moro com eles, não sei se pega fogo na cama, se a grosseria que vi foi fruto do cansaço de uma viagem, enfim, sei que relatei o casal aqui.

Daí que uma leitora linda deixou nos comentários – poucas coisas me deixam tão alegres quanto um comentário de vocês – que também passava por isso em casa, essa frieza, e que já estava na hora de tomar uma decisão. Achei corajoso da parte dela e me senti honrada com o compartilhamento desta dor – óbvio que preservei sua identidade – e me bateu também uma certa responsabilidade. Pensei: O que eu ando inspirando por aí?

Na minha jornada de separação de um relacionamento de mais de oito anos, muita gente me inspirou, mesmo sem ter a menor ideia disso. Uma amiga que começou a namorar aos 71 anos, o meu avô e o fim da sua vida, a Martha Medeiros e mais mais um monte de gente que li e convivi neste processo. Claro que quem tomou a decisão fui eu, mas essas pessoas me fizeram refletir, acalmaram meu coração, me instigaram com suas experiências, suas palavras, enfim, é fato que as nossas ações tendem a causar impacto em alguém.

Eu sei que tem muita gente que joga no time do “prefiro não me meter”, “prefiro ficar calada”, “não tenho nada a ver com isso” e vai levando a sua vida tentando causar o mínimo de perturbação possível na vida de outrem. Eu entendo, mas, vou te falar, eu nunca fui essa pessoa e adoro não sê-la.

Fico pensando que coisa mais chata você não deixar um rastro, sua opinião não valer de nada, ninguém ver uma paisagem, ouvir uma música, ler uma frase e se lembrar de você, porque, como você nunca se colocou, ninguém sabe direito do que você gosta, o que você detesta, quem te dá nojo, o que você não tolera…

Custa caro. Eu pago um preço altíssimo por me posicionar e eu choro é muito. Choro porque eu sou sensível pra caramba, apesar do meu 1,68 de altura, cheia de curvas, uma cabelo que me aumenta ainda mais e parecer uma mulher forte. Até sou, mas sou bem sensivelzinha também. Sou daquelas que posta determinados comentários polêmicos no fb e depois morre de medo de ver as respostas. Eu sou uma contradição só. Sou daquelas que acorda querendo cortar o cabelo na orelha pra mudar tudo e dorme querendo que o cabeço cresça logo até a cintura porque não vive sem a juba. Ainda bem que eu não ajo mais por impulso, se você me vir (@parissodeida) vai ver que meu cabelo tá grandão e em franco crescimento.

Mas voltando à inspiração, é uma responsabilidade e tanto inspirar vidas. Quando alguém segue teu conselho, ou age de acordo com algo que você disse, ou escreveu, você tá ali naquela atitude, contudo, você não vai estar do lado pra aguentar as consequências. Como bem disse o Antoine, “tu és responsável por aquilo que cativas” e eu levo isso muito a sério. Morro de medo de passar por essa vida sem deixar um lastro e também me preocupo com o legado que tô deixando.

Você já parou pra se perguntar se o que você faz causa algum impacto positivo no mundo? Se muda a vida de alguém pra melhor? Se o seu entorno melhora com a sua vida?

Pode até não ser uma ação macro, tipo a dos Médicos Sem Fronteiras que têm um coração maior do que o que cabe neles e vão ajudar tantos corações aflitos. Ô atitude mais linda! De minha parte, sou só doadora, é o mínimo que posso fazer por quem faz tanto. Mas pode ser uma coisa menor, tipo: seus filhos se sentem bem do seu lado? Eles estão se tornando pessoas de bem, digo empáticas e com respeito ao meio ambiente? As pessoas que trabalham pra você te adoram ou morrem de medo quando você entra na sala?

As pessoas costumam dizer que se lembram de mim quando ouvem samba, quando vão à praia… Tem inspiração mais linda do que essa?

Pra mim tem, ainda tem, que é o que eu tento fazer com as palavras. Na tentativa de colocar pra fora o que se aguça em mim, eu acabo encontrando corações sensíveis nesse Brasil e isso me comove profundamente. Assim como fiquei comovida com a minha leitora querida que falou de uma decisão importante na sua vida. Se ela estiver me lendo, tudo o que eu desejo é que, seja qual for a sua escolha, que o caminho seja de muita luz.

É bom quando a gente aguça as pessoas e é melhor ainda quando a gente consegue ser um refúgio de paz.

Obrigada a todas vocês que estão aqui comigo.

Bjs

Lu

1 Comentário

Mais Sem categoria